Entenda o que é a ferrugem da soja e como combatê-la

 

4 minutos para ler
 
 

A soja é um dos pilares do agronegócio brasileiro. A cultura, no entanto, tem um grande obstáculo para o qual é necessário estar sempre atento a fim de ultrapassá-lo a cada safra: a ferrugem da soja.

 

Trata-se da mais importante doença dessa leguminosa e requer cuidados indispensáveis, ou os danos podem ser quase que totais. É preciso conhecê-la bem e tomar providências em tempo hábil.

 

Continue a leitura e entenda o que é a ferrugem asiática da soja e como combatê-la.

 

 

O que é a ferrugem da soja?

 

 

A ferrugem asiática é uma doença da cultura da soja, provocada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi. No agronegócio brasileiro, constitui o principal problema a ser administrado pelos produtores de soja, em razão das perdas significativas que provoca na lavoura, muitas vezes inviabilizando a produção.

 

A doença foi introduzida no Brasil na safra 2001/2002 e observada inicialmente no Paraná (município de Palmeira) e na Bahia (município de São Desidério). Posteriormente, alastrou-se e, hoje, alcança toda a área de produção de soja no país.

 

 

Quais os seus principais impactos na cultura?

 

Em razão de sua importância, é pesquisada em vários centros, tanto públicos quanto privados. Sabe-se que o fungo da ferrugem da soja pode se abrigar em cerca de 150 plantas, o que facilita a sua dispersão e a contaminação da cultura agrícola.

 

O fungo pode ser disseminado pelo vento e é capaz de se manifestar em qualquer estágio da cultura e, quando vai além das reboleiras, pode comprometer quase toda a produção. Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), a ferrugem tem um custo médio de US$ 2,8 bilhões por safra no Brasil.

 

Quando ocorrem ataques severos da doença, a lavoura fica com um aspecto de plantas dessecadas por herbicida. Nessas condições, ocorre o aborto de flores e de vagens, enquanto aquelas que se formam apresentam deficiência na formação dos grãos.

 

 

Como identificar a ferrugem da soja?

 

Depois que o fungo se instala, começa a apresentar os primeiros sintomas, que aparecem como pequenos pontos um pouco mais escuros que o tecido normal da face dorsal das folhas, mas alcançando as duas faces. O formato é irregular e, à medida que evoluem, vão escurecendo, ao mesmo tempo em que vão tornando toda a folha amarelada.

 

Nessa fase em que as folhas amarelecem sob os pontos castanhos, a doença já está instalada há mais de um mês. Nessas condições, o controle fica bastante dificultado.

 

 

Como pode ser controlada?

 

O controle da ferrugem asiática da soja não é fácil e requer atenção e cuidado. As principais estratégias de manejo da cultura para o enfrentamento da doença podem ser assim resumidas:

 

  • monitoramento permanente;
  • adoção do vazio sanitário (período de 90 dias sem plantio de soja);
  • utilização de cultivares precoces;
  • semeadura no início da época recomendada para a região;
  • utilização de cultivares geneticamente resistentes;
  • utilização de fungicidas apropriados.

 

 

Qual a importância do monitoramento na lavoura?

 

 

Como se viu, quando as folhas se tornam amarelas, a doença já se encontra em estágio avançado. Por essa razão, é indispensável o acompanhamento constante do stand para que seja possível a sua identificação ainda no início, de modo que haja tempo hábil para o controle.

 

Você viu que a ferrugem da soja se constitui na mais importante doença da cultura e o seu controle requer atenção permanente, adoção do vazio sanitário e utilização de insumos adequados.

 

Se você gostou deste post, assine a nossa newsletter e esteja informado para conduzir a sua lavoura com sucesso.